Campo Grande, 16 de Novembro de 2018



boiremates

Categorias



 

x Rural News Ms 08/11/2018 - 09:12:26

MS registra 4,5 mil casos de dengue e nove cidades com alta incidência


Subiu para 4.532 o número de notificações de dengue em Mato Grosso do Sul. Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde, divulgados ontem (7). O número é mais da metade do que foi registrado durante todo o ano passado; 6.201 notificações. Em Dourados, a incidência, considerada baixa, é de 56,9 casos a cada 100 mil habitantes. Mesmo assim o município registrou 118 notificações da doença.

 

Nove cidades de MS aparecem com alta incidência de dengue. No topo do ranking está Três Lagoas com incidência de 1054,4 notificações a cada 100 mil habitantes. Em segundo lugar está Costa Rica com 801,7 casos a cada 100 mil habitantes, seguida de Coronel Sapucaia (424,5), Selvíria (420,1), Chapadão do Sul (404,6), Rio Verde de Mato Grosso (387,6), Antônio João (362,8), Jardim (357,4) e Iguatemi (337,0 a cada 100 mil habitantes).

 

Em MS, ações estão sendo realizadas para intensificar o combate à dengue, como a vistoria de imóveis. Durante o período de 28 de outubro a 3 de novembro foram fiscalizados 49 mil prédios.

 

Surto

A cidade de Ji Paraná, em Rondônia, está em alerta para o surto de dengue. De acordo com o LIRA - Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti – realizado entre os dias 22 e 30 de outubro, a infestação predial está em 2,7% - percentual que, de acordo com o Ministério da Saúde, coloca o município em estado de alerta. O estado de Minas Gerais também começa a ficar em alerta.

 

No último levantamento foram registrados 25.559 casos prováveis de dengue, com oito óbitos confirmados e outros 11 em investigação. Outubro (1.066) representou o maior número de casos registarados no estado desde junho. Nesse período de chuvas e muito calor, os riscos aumentam e os órgãos de Saúde orientam que os cuidados com os quintais sejam redobrados e que os objetos que acumulem água sejam evitados.

 

O Ministério da Saúde tem informado que as ações de prevenção e combate ao Aedes aegypti são permanentes e tratadas como prioridade. Entre as medidas tomadas para combater o mosquito está a criação da Sala Nacional de Coordenação e Controle, que orienta e articula ações contínuas ao longo do ano com governos estaduais e municipais para combate ao vetor e monitora a situação epidemiológica e as atividades para enfrentamento do mosquito.

 

Além disso, os recursos para as ações de vigilância em saúde cresceram nos últimos anos, passando de R$ 924,1 milhões, em 2010, para R$ 1,94 bilhão em 2017. Para este ano, a previsão é que o orçamento de vigilância em saúde para os estados chegue a R$ 1,9 bilhão.



Mais Notícias